Twitter Facebook YouTube

CUT SC > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUES > DIRIGENTES DEBATEM SOBRE OS DESAFIOS DO MOVIMENTO SINDICAL COM A REFORMA TRABALHISTA

Dirigentes debatem sobre os desafios do movimento sindical com a reforma trabalhista

27/10/2017

O evento promovido pela Dieese reuniu dirigentes de diversas centrais sindicais

Escrito por: Pricila Baade

 

Esta sexta-feira (27) foi dia dos dirigentes de várias centrais sindicais se reunirem para falar da contrarreforma trabalhista do Governo Temer, que entra em vigor no dia 11 de novembro. O ponto principal do debate foram os desafios que o movimento sindical terá que enfrentar para se adaptar às novas regras.

O evento foi organizado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Econômicos (Dieese) e contou com a participação do diretor técnico do Departamento, Clemente Ganz Lúcio. Ele abordou o contexto em que a reforma foi aprovada, os aspectos das novas normas que afetam a vida dos sindicatos e do trabalhador e deu sugestões de enfrentamento.

Clemente explicou que a reforma foi articulada a um conjunto de mudanças trabalhistas que aconteceram em mais de dez países, que buscam alterar as leis para facilitar a vida dos empresários. As novas normas foram sustentadas em cima de diretrizes que trazem instrumentos que flexibilizam os contratos e a jornada de trabalho, dando a liberdade para as empresas contratarem da forma que quiserem e pelo tempo que acharem melhor; além disso, a reforma traz um ajuste do custo de trabalho, com a possibilidade de promover assembleias para reduzir o direito do trabalhador.

Outra diretriz da reforma é construir mecanismos que impedem a formação de passivos trabalhistas, diminuindo os custos da empresa em uma demissão. “Além de tirar o poder do movimento sindical, a reforma também enfraquece a justiça do trabalho. Agora você só poderá entrar com uma ação trabalhista se pagar pelos custos e tiver provas”, ressalta o diretor técnico. 

Para Clemente, a opção para os movimentos sindicais enfrentarem a reforma é se unindo e se reorganizando de uma forma ideal para a reforma. “É preciso fazer o trabalhador criar uma identidade única para que ele se enxergue dentro das categorias dos sindicatos”.

O encontro, que aconteceu no auditório da Fecesc, contou com a participação de representantes de várias centrais sindicais, que trouxeram os seus pontos de vista sobre a reforma. O Secretário de Administração e Finanças da CUT-SC, Neudi Giachinni, também estava presente e falou sobre o desafio que o movimento sindical irá enfrentar “O fato é que nós sofremos um acidente no percurso da nossa luta, mas não podemos desistir. Nunca foi fácil para os trabalhadores e nunca vai ser. O desafio será ainda maior daqui para frente, mas teremos que nos reinventar para continuar defendendo o direito dos trabalhadores”.

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
Programa DizCUT Jornal dos Trabalhadores

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES DE SANTA CATARINA
Rua Visconde de Ouro Preto, 87 | Centro | CEP 88020-040 | Florianópolis | SC
Fone: (048) 3024-2053 | www.cut-sc.org.br | e-mail: cut-sc@cut-sc.org.br