Twitter Facebook YouTube

CUT SC > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUES > TRABALHADORES RURAIS E URBANOS SE UNEM CONTRA REFORMA DA PREVIDÊNCIA E RETROCESSOS DO GOVERNO TEMER

Trabalhadores rurais e urbanos se unem contra Reforma da Previdência e retrocessos do governo Temer

19/10/2017

18 de outubro foi um dia de luta e resistência em Santa Catarina, tendo como pauta a proposta de Reforma Previdenciária, que retira direitos dos trabalhadores; os cortes no orçamento proposto pelo Temer e a crise no sistema produtor leiteiro. Agricultores familiares, com o apoio de trabalhadores urbanos do sistema público e privado, realizaram cinco atos no estado

Escrito por: Pricila Baade

18 de outubro foi um dia de luta e resistência em Santa Catarina, tendo como pauta a proposta de Reforma Previdenciária, que retira direitos dos trabalhadores; os cortes no orçamento proposto pelo Temer e a crise no sistema produtor leiteiro. Agricultores familiares, com o apoio de trabalhadores urbanos do sistema público e privado, realizaram cinco atos no estado, nos municípios de São Miguel do Oeste, Maravilha, Chapecó, Xanxerê e Rio do Sul.

As ações aconteceram em frente às unidades do INSS em cada cidade para dialogar e protestar contra a proposta do Temer de extinguir a condição de Segurado Especial para os Agricultores Familiares. “Este será o maior crime que os políticos atuais irão cometer, retirar daqueles que doam suas vidas para a produção de alimentos a condição conquistada com profundos debates nos anos 80 para que o sistema Previdenciário fosse Universal e Solidário. Que esses políticos não apareçam nunca mais pedir votos para os agricultores familiares!”, destacou Adriana Maria Antunes de Souza, secretária de Comunicação da CUT-SC.

 

Ato em São Miguel do Oeste

A proposta, além da extinção da condição de segurados especiais aos agricultores familiares, também propõem que a contribuição através de carnê mensal ou semestral de forma individual por 49 anos para obter o direito de aposentar-se aos 65 anos. Com a aprovação dessa proposta, provavelmente trabalhadores do meio rural e urbano não conseguirão mais se aposentar, pois as condições impostas para acessar o benefício praticamente excluem a grande maioria dessa possibilidade.

Outro ponto abordado na pauta foram os cortes no orçamento proposto por Temer, que diminui em mais de 80% os investimentos no fortalecimento da Agricultura Familiar. Os programas de Assistência Técnica e Aquisição de Alimentos foram praticamente extintos, pois continuam quase sem recursos para serem acessados.

Em SC, aproveitou-se a oportunidade do debate do orçamento federal para também provocar a discussão sobre o orçamento estadual, já que o Governo d SC também faz baixos investimentos em programas de fortalecimento da agricultura familiar. Além disso, foi feita uma crítica ao PL 350/17, que está tramitando na Assembleia Legislativa, sobre a renegociação da dívida do Estado, que traz compromissos do governo limitar os gastos primários, que incluem saúde, educação, segurança pública e políticas sociais.

Junto com toda essa realidade de retrocessos, a agricultura familiar catarinense também sofre com a forte crise do preço no setor produtivo leiteiro. O governo do Temer cortou a aquisição de leite em pó e derivados lácteos tanto pela CONAB, como pelo Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e vem incentivando a importação do produto ocasionando uma sobra no mercado nacional, exatamente no mesmo momento que descapitaliza a população consumidora que, em virtude dos cortes nas políticas sociais e do crescente desemprego, está diminuindo o consumo de leite.

Em Florianópolis, durante toda a manhã, agricultores familiares e trabalhadores urbanos ligados à CUT-SC, visitaram os 40 gabinetes dos Deputados Estaduais de SC para protocolar três documentos com análise e reivindicações sobre cada um dos pontos, pedindo posicionamento por escrito de cada deputado.

Na parte da tarde os trabalhadores da Reforma Agrária, ligados ao MST, e trabalhadores Cutistas lotaram a Plenário da Assembleia Legislativa. Na oportunidade, Vilson Santin, Coordenador Estadual do MST, dividiu o microfone com Adriana Maria Antunes de Souza, da CUT-SC, para apresentarem a pauta e cobrar dos deputados as suas posições.

Para Anna Julia Rodrigues, presidenta da CUT SC, o momento é de unidade da Classe Trabalhadora. “Não estamos mais com pautas específicas, os problemas dos agricultores familiares afetam diretamente a vida dos trabalhadores urbanos, assim como as dificuldades dos urbanos afetam os trabalhadores do campo. A pauta de hoje é de todos os trabalhadores e a cada dia precisamos nos unir ainda mais”.

 

 

 

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
Programa DizCUT Jornal dos Trabalhadores

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES DE SANTA CATARINA
Rua Visconde de Ouro Preto, 87 | Centro | CEP 88020-040 | Florianópolis | SC
Fone: (048) 3024-2053 | www.cut-sc.org.br | e-mail: cut-sc@cut-sc.org.br