Twitter Facebook YouTube

CUT SC > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUE CENTRAL > COMERCIÁRIOS DO VALE DO ARARANGUÁ: NEGOCIAÇÃO POR ACORDO COLETIVO VAI PARA DISSÍDIO

Comerciários do Vale do Araranguá: negociação por Acordo Coletivo vai para Dissídio

30/05/2017

Patronal oferece índice abaixo da inflação e ainda quer retirar cláusulas socias, Sindicato nega e negociação vai à dissídio

Escrito por: Felipe Balthazar

Sindicato dos Comerciários do Vale de Araranguá – Sintracom protocolou no Tribunal Regional do Trabalho ação de Dissídio Coletivo por considerar proposta por reajuste do patronal muito abaixo do pedido e por não aceitar retirar cláusulas sociais conquistadas nos últimos anos

O Sitracom e Sindicato patronal não chegaram a um acordo e a Convenção Coletiva de Trabalho – CCT, será decidida na justiça. Isso porque a data-base para o acordo ser fechado venceu neste mês de maio, o que motivou o Sitracom a entrar com Dissídio Coletivo no Tribunal Regional do Trabalho.

Conforme os diretores Joelcio Cesar dos Santos, o Saba, Ana Maria Chechetto e Valéria Leandro, no início das negociações o patronal chegou a oferecer apenas 80% do Índice Nacional de Preço ao Consumidor - INPC, que fechou em 3,99%, ou seja, ofereceram 3,19% e pediram que fossem retiradas diversas cláusulas sociais, como o abono em caso do trabalhador levar o filho ao médico e a obrigatoriedade do trabalhador ganhar uma folga como compensação pelo trabalho em feriados.

“Na última proposta eles ofereceram um pouco mais que o INPC, mas mantiveram o pedido pela retirada de cinco cláusulas sociais e retirada de direitos nós não negociamos”, comentaram os diretores do Sitracom. “No entanto, estamos abertos a negociações”, concluíram.

Confira abaixo um histórico da negociação e a última proposta enviada pelo patronal.

De 13 até 20/03/17 - Realização de assembleias para aprovação das pautas de reivindicações (trabalhadores no comércio varejista/atacadista, concessionárias, óticos e farmácias);

20/03/17 - Encaminhamento aos sindicatos patronais das pautas aprovadas nas assembleias, convocando reunião na sede do sindicato para o dia 04/04/17;

04/04/17 - Data da reunião com os patronais na sede do Sindicato. Ausência de todas as entidades convocadas, sem nenhuma justificativa;

17/04/17 - Reunião com o Sindicato do Comércio Varejista/Atacadista (convocada por eles). Não tinham nenhuma proposta para apresentar nesta data e ficaram de enviar a proposta até o dia 20/04;

20/04/17 - Envio da proposta pelo sindicato comércio varejista/Atacadista, oferecendo apenas 80% do INPC (3,19%) de reajuste e pedindo a extinção de cinco cláusulas sociais.

25/04/17 - Encaminhamento do processo de Dissídio Coletivo para as categorias dos trabalhadores no comércio varejista/atacadista, concessionárias e óticos.

04/05/17 - Como não foi firmada a C.C.T. (Convenção Coletiva de Trabalho), foi encaminhado ação cautelar garantindo que as empresas não utilizem a mão de obra de seus funcionários no feriado de 04/05/17 (empresas de Araranguá) e 12/05/17 (empresas de Maracajá;

18/05/17 – Nova reunião realizada a pedido do patronal, que não chegou a um acordo. Desta forma, Sitracom, afim de garantir o melhor para o trabalhador, deu continuidade ao processo de Dissídio Coletivo. No entanto, o Sitracom segue aberto a negociações.

Proposta do patronal

Reajuste

O Sindicato do Comércio Varejista ofereceu 4,50% de reajuste. No período de maio de 2016 a maio de 2017, a inflação, medida pelo Instituto Nacional de Preço ao Consumidor – INPC, fechou em 3,99%. Ou seja, o “ganho real” seria de apenas 0,51%.

Cláusulas sociais

Nos últimos anos, o Sitracom fechou convenções que garantem cláusulas sociais, que dão mais dignidade para os trabalhadores/as no comércio. Neste ano, além de oferecer um valor irrisório, o patronal pede que sejam extinguidas as seguintes cláusulas:

Cláusula 7ª – empregado substituto - Enquanto perdurar a substituição que não seja de caráter meramente eventual, o empregado substituto fará jus igual salário do substituído, excetuadas as vantagens pessoais, desde que haja ato de designação específico e com prazo previamente determinado.

Cláusula 16ª – equipamentos de proteção e instrumentos de trabalho - Serão fornecidos, gratuitamente, quando exigidos por lei ou empregadores, todos os equipamentos de proteção individual, bem como uniformes, calçados e instrumentos de trabalho.

Cláusula 17ª – abono de falta ao trabalhador - O empregador abonará a falta do empregado no caso de consulta médica ou internação hospitalar a filho de até 16 anos de idade, ou inválido sem limite de idade, mediante comprovação por declaração médica ou hospitalar.

Cláusula 22ª – trabalho em dias de feriado – garantias - Além do descanso semanal remunerado garantido por lei, o empregado em supermercados que trabalhar nos dias citados na cláusula 20ª e 21ª terá, obrigatoriamente, mais 01 (um) dia de folga para cada feriado trabalhado, que deverá ser concedido nos 30 (trinta) dias subsequentes ao feriado trabalhado e em 45 (quarenta e cinco) dias no segundo feriado trabalhado no mesmo mês.

Cláusula 23ª – trabalho em dias de feriado – shopping atacadistas - Parágrafo segundo: Além do previsto no § 1º, para os empregados que trabalham nos FERIADOS fica garantido 01 (um) dia de folga a ser concedido no prazo de 30 (trinta) dias após o feriado trabalhado.

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
Programa DizCUT Jornal dos Trabalhadores

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES DE SANTA CATARINA
Rua Visconde de Ouro Preto, 87 | Centro | CEP 88020-040 | Florianópolis | SC
Fone: (048) 3024-2053 | www.cut-sc.org.br | e-mail: cut-sc@cut-sc.org.br